Análise Dourada Ω - Pt. 3: Paradox de Gêmeos / Integra de Gêmeos

28/01/2015 14:34

Análise Dourada Ω - Parte 3: Paradox de Gêmeos e Íntegra de Gêmeos
Por Boneco de Neve      

 

 

        Chegou a vez de analisar as guerreiras da constelação mais complexada de todas. São duas (pra variar), portanto vamos começar com a que apareceu primeiro: Paradox de Gêmeos, a Amazona de Ouro que domina o Amor e o Destino!

 

Paradox de Gêmeos (Amor)


        Vamos começar obviamente contando a lastimável historinha de vida dela. Nascida na terra do Big Ben, Paradox veio ao mundo com o incomum dom da clarividência. Mas os pais dela não aceitaram esse dom numa boa: Eles se borravam de medo por isso, ao ponto de evitar a guria e ignorar suas visões. Porém, num belo dia, os pais dela resolveram fazer um passeio com a pobre menina, só que ela não queria ir de jeito nenhum. Ela pressentiu que ela iria pro saco preto junto com seus pais. Mas estes, grande novidade, se recusaram a acreditar. Pegaram a menina, foram pro carro, fizeram o passeio e... BUM! Dito e feito. O carro explodiu. Mas, como todo mundo já tá careca de saber (o Joseph Climber que o diga), a vida é uma caixinha de surpresas. O acidente aconteceu, sim, mas ao contrário do que a menininha esperava, os três foram salvos por um único cara. E o herói não era qualquer um: Era ninguém menos que ele, o maioral dos calangos dragões, Shiryu. E claro, como a menininha viajada que era, Paradox caiu de amores pelo cara. Tamanha era a admiração por ele que a menina decidiu seguir os passos dele, se tornando assim uma amazona de Atena ainda numa idade bem tenra. Foi aí que ela abandonou sua identidade original e assumiu a alcunha de Paradox. Porém, apesar de ter se tornado uma amazona, Paradox não tinha a menor intenção de servir Atena de fato. Ela era do tipo pessoa que tomava sempre as decisões mais cômodas para si mesma e, claro, seu poder era uma tremenda mão na roda nessas ocasiões. Por isso, quando uma vez os Marcianos invadiram o santuário na surdina, a garota ficou quietinha. Aí, quando Marte finalmente conquistou o santuário tempos depois, Paradox foi recompensada com a Armadura de Gêmeos.

        Agora o desafio hercúleo dessa análise: Explicar a(s) personalidade(s) da Paradox. Não tô brincando em chamar isso de hercúleo. Afinal, ela é uma Amazona de Gêmeos e a gente sabe que, em CDZ, a cabeça de um geminiano é, como diria nosso um dos caras mais "zen" do mundo, Bruce Banner, um "saco de gatos". É sério, o bagulho é sinistro; tanto que tive que pedir ajuda pro pessoal do quartel pra superar esse desafio. Enfim, eis as minhas considerações: Em quase todas as vezes que ela deu as caras em Ômega, Paradox demonstrou ter pelo menos um parafuso a menos. Ao que parecia, ela vivia pelo amor e somente por ele. Não que isso em si fosse algo idiota; obviamente não é. O problema é que, como Paradox nunca teve um referencial genuino sobre amor (julgo eu), ela mesma passou a desenvolver uma concepção própria, porém alienada, de amor. Quando Paradox se "alistou" no Santuário, ela a princípio concordou em usar uma máscara de amazona. Eu imagino que todo mundo que está lendo esse artigo saiba disso, mas só pra recapitular: Essa máscara simboliza a renúncia da femininidade por parte da amazona; se esta fosse vista sem a máscara por um homem, tinha que tomar uma de duas obrigações: Matá-lo ou amá-lo. E, sob a alegação de que amava a todos, acabou deixando de usar tal máscara. O ato em si não chega a ser tão ousado assim, considerando que já pintaram outras amazonas em outras séries de CDZ que também largaram as máscaras, ainda que por motivos menos extravagantes. Mas, como eu disse antes, a concepção de amor dela é deturpado. Isso ficará mais claro com o decorrer do artigo.

        Como Paradox cresceu com a mente fragilizada por causa de sua família, ela acabou adotando pelo menos dois "mecanismos de defesa". Um deles era o que eu já mencionei aqui no começo do artigo: O seu próprio poder de clarividência, ou melhor, o modo como ela o usa. Com esse poder, Paradox era capaz de enxergar "pontos de divisão", nos quais ela podia ver o resultado de suas escolhas antes mesmo de tomá-las. Assim, ela tomava as decisões que menos lhe fariam mal e/ou que pudessem lhe oferecer algum proveito próprio. Isso ficou bastante claro na batalha contra Ryuho na casa de Gêmeos, quando ela mencionou algumas de suas "decisões" que ela tomou no decorrer de sua vida, incluindo a escolha de ficar de bico calado quando os Maricanos invadiram o santuário. Inclusive, ela pode usar esse poder de clarividência para prever ataques dos seus adversários.

        O outro é bem mais complicado de entender (já vou adiantando, não sou psicólogo, então vou colocar aqui o que eu entendo do assunto): Dissociação de identidade, mais conhecido como dupla personalidade. É um transtorno muito complexo que surge geralmente por causa de situações muito estressantes, como traumas, na infância, fase na qual não existe uma estrutura mental plena para lidar com tais situações. O indivíduo não consegue assimilar o trauma corretamente e mais tarde na vida esse trauma ressurge como uma nova personalidades, em outras palavras, ele acaba dissociando seu próprio ego, numa tentativa de auto-proteção. Em termos psicanalíticos, o ego é uma estrutura racional que implementa os elementos do mundo externo à estrutura das emoções mais instintivas (chamada de id), refreando os impulsos originados dessa estrutura até que eles possam ser mitigados com o mínimos de prejuízo possível. Sendo assim, o risco desse transtorno é que, quando o ego se dissocia, o senso de realidade da pessoa fica comprometido, deixando-a mais sujeita, de uma forma ou de outra, aos seus próprios impulsos mais profundos. Voltando à Paradox, o que originou essa condição nela foi a grande frustração com seus pais por causa da ausência de afeto da parte deles. Normalmente, isso por si só não seria o suficiente para causar uma divisão do ego, o que leva a crer que Paradox tinha uma elevada capacidade de dissociação desde o início. A partir daí, fica fácil entender como funciona a maldita mecânica mental da Paradox: A partir do ego original, Paradox se dividiu em duas faces. Uma é a Paradox do Amor, que é a face mais próxima da verdadeira; pacífica, mas muito provocante (ou, se preferem dizer, descarada), ela vive para amar e ser amada e tudo o que ela quer é ser correspondida (possivel e inconscientemente qurerendo ser compensada pela falta de amor dos pais). Só que quando a Paradox do Amor não tem seu amor correspondido, a pessoa que não a correspondeu perdeu o seu direito de viver aos olhos da amazona. Aí, ela "passa o bastão" para o seu alter-ego, a Paradox do Ódio, que se auto denomina como a Amazona de Ouro que domina o Ódio e a Morte (uma antítese ao título da sua outra personalidade; pra ela, o ódio é o resultado da ausência de amor e a morte é o limite final do destino). Quando essa personalidade assume o controle, Paradox sofre mudanças físicas notórias, de forma similar a Saga. Além dessas mudanças físicas, obviamente sua abordagem também muda, sendo brutalmente agressiva e implacável contra aqueles que rejeitaram o amor da Paradox.

 

Paradox de Gêmeos (Ódio)

 

        Vale lembrar que isso tudo o que eu escrevi aqui é só uma hiperleitura. Em termos informativos, Saint Seiya Ômega é vago demais pra descrever uma coisa dessas de forma tão sucinta (e olha que eu resumi bastante isso aqui). Além do mais, Paradox tem alguns sintomas que obviamente não condizem com a sintomatologia real desse transtorno, sendo um deles a aparição simultânea das duas personalidades, vista no final da luta contra Ryuho, onde estava prestes a tomar o golpe final; na realidade, só uma personalidade assume o controle, enquanto a outra fica na "geladeira", podendo ou não saber o que a primeira faz. Mas é possível que duas personalidades interajam uma com a outra, seja de forma adversa (como acontece com Saga), seja de forma cooperativa, que é o caso da Paradox (embora eu não acredite ser possível que as personalidades de uma pessoa de verdade interajam de forma tão dinâmica como fazem as personalidades de Paradox).

 

Paradox de Gêmeos (Amore e Ódio)

 

        Enfim, vamos deixar esse papo de Freud um pouco de lado agora. Em termos de cosmo, Paradox também se mostra bem peculiar. Isso porque, quando ela despertou o 7º sentido, ela teoricamente dobrou o seu próprio cosmo. Como isso? Sabemos que o 7º sentido dá a um guerreiro a capacidade de executar atos miraculosos. E o feito que Paradox conseguiu foi fazer a sua personalidade do ódio despertar um cosmo próprio. Talvez seja por isso que as personalidades de Paradox se interagem tão bem, pois a dinâmica que elas formaram é muito boa. Elas conseguem alternar livremente o comando do corpo e uma pode perfeitamente continuar um ato que a outra estava realizando até então. É só lembrar novamente da ocasião em que Paradox falava de suas escolhas. A Paradox do Amor começava a dizer uma frase e bem no meio a Paradox do Ódio surgia, com bastante naturalidade, completando a frase. Isso prova a maestria que tem em compartilhar o mesmo corpo e efetivamente tornam Paradox um perigo em potencial, pois, como dizem, "duas cabeças pensam melhor do que uma".

        Aliás, isso se reflete também no repertório de ataques. Cada personalidade da Paradox possui técnicas próprias, que condizem com o modo como se comportam. A Paradox do Amor, por exemplo, é mais sutil na hora de atacar e de contra atacar. Geralmente, o que ela faz em um combate se resume a gestos. Qualquer gesto (desde um estalo de dedos até um beijinho - é, ela gosta de tascar beijinhos nos seus adversários. Ou pelo menos no Ryuho) pode ser bastante desagradável para seu oponente, seja bloqueando seus ataques, movê-los como se fosse telecinestesista ou fazê-los sentir como se estivessem sendo partidos ao meio. Ao que parece, isso é o suficiente para Paradox garantir seu domínio em combate, de modo a não ter a necessidade de recorrer a técnicas especiais. No embate contra Ryuho, porém, ela usou duas, mas só por capricho. Uma delas é nada mais nada menos que a Cólera do Dragão. É isso aí; Paradox plagiou o golpe do Shiryu na cara dura (e ainda foi sacana o bastante pra deixar o "bicho" rosa-choque) e o mandou contra o filho do próprio em resposta ao Cólera do Dragão do garoto. A princípio, o dela saiu mais forte; primeiro porque ela era amazona de ouro, segundo porque ela, na sua louca obsessão, praticou o golpe mais vezes do que Dercy Gonçalves soltou palavrões em toda a sua vida. E, claro, ela tinha que dizer que isso era "o poder do amor". Mas nada que um pouquinho a mais de esforço não mude as coisas, né? Pois no segundo disparo, Ryuho levou a melhor. A outra técnica em questão é bem mais sacana, se me permite dizer. Trata-se da Miragem do Encruzilhada, uma técnica que aparentemente é a manifestação visível da clarividência da amazona. Paradox leva a sua "vítima" para uma dimensão particular com ambientação espacial, onde cada estrela representa um ponto de divisão, um momento onde ocorre uma determinada escolha. Lá, Paradox obriga sua vítima a escolher uma de duas opções que ela oferece. Essas opções, ao que parece, são completamente antagônicas, que basicamente se resumem em se render e viver ou lutar e morrer. Caso o oponente se negue a escolher uma das opções, a própria dimensão começa a dividí-lo em dois, como se estivesse forçando-o a fazer uma escolha. O que não sei dizer bem, porém, é se essa é a conformação normal, isto é, inadvertida do poder da Paradox ou se a mesma arranja de propósito as opções de forma antagônica (eu acredito que seja esse o caso). De qualquer forma, é uma técnica inegavelmente pentelha. Ah, só pra complementar, a amazona também mostrou uma outra técnica, usada no breve embate com Kouga, a Muralha da Fortuna. Basicamente, é uma parede maciça de cosmo do elemento vento. Paradox tentou usá-la para conter o Meteoro de Pégaso, mas como a amazona estava exaurida devido ao combate com Ryuho, ela acabou sendo atingida.

        Já a Paradox do Ódio, sendo o oposto da Paradox do Amor, não tem nada de carinhosa. Ao invés de gestos e beijinhos, ela lida com o seu oponente na mais plena porrada e é tão bruta, mas tão bruta, que me arrisco a dizer que ela consegue ser mais truculenta que o Harbinger. Porém, assim como sua outra personalidade, a Paradox do Ódio prefere apelar para movimentos "comuns" ao invés de apelar logo para técnicas especiais, as quais, no caso dela, são técnicas feitas pra acabar com a luta de vez. Na saga de Marte, ela só mostrou uma técnica: O Destino Final. Se me permitem fazer uma comparação para explicar esta técnica de forma mais didática, ela funciona de forma parecida com a técnica final de Shaka, o Tesouro do Céu, no qual, o oponente fica totalmente à sua mercê. Ao que parece, o Destino Final dá mais opções a Paradox para lidar com adversário, pois tudo o que o Tesouro do Céu faz é retirar os sentidos do oponente, enquanto a técnica de Paradox pode fazer isso e um pouco mais (embora eu acredite que Paradox não consiga retirar outros sentidos além dos 5 primeiros). Por outro lado, o Destino Final é uma técnica muito mais fácil de se desfazer. Enquanto é virtualmente impossível escapar do Tesouro do Céu, até mesmo para cavaleiros de ouro experientes, o Destino Final pode ser quebrado por emissões de cosmo simples, embora, para isso, o oponente necessite ter ao menos o 7º sentido despertado (mas não necessita estar totalmente dominado). Foi o que Ryuho conseguiu fazer assim que despertou o 7º sentido.

        E assim, Paradox perdeu a luta ao tomar uma Cólera dos Cem Dragões nas ventas. Mas ela sobreviveu, embora, pelo jeito, não tenha conseguido se levantar por um bom tempo devido a exaustão. Depois que todo o imbróglio causado por Marte e seus "amiguinhos" foi resolvido, ela foi levada até a prisão do Cabo Sunion, a mesma em que Kanon ficou, e ficou lá de nóia por um tempo. E esse tempo foi pouco, porque ela logo foi libertada por Gallia, Pallasita de 1ª Classe. Reconhecendo a força da ex-amazona e considerando o seu rancor, Gallia julgou que Paradox seria uma bela adição para o exército de Pallas durante o combate contra o exército de Atena. Assim, Gallia deu a Paradox a posição de Pallasita de 2ª Classe, ganhando ainda como arma (pois todos os Pallasitos usam armas) um cetro chamado de Jano Escarlate. Assim, Paradox passou a ser conhecida com Paradox de Jano Escarlate, se metendo na batalha unicamente para se vingar da humilhação que sofreu na nova batalha das 12 casas. Pra começar, ela foi atrás do Ryuho, mostrando para ele suas habilidades com o seu cetro, o Jano Escarlate, lançando raios de energia diretamente dele, e o Fim do Mundo, que é uma poderosa rajada que desce do céu.

 

Paradox de Jano Escarlate


        Porém, para a surpresa da Paradox, enquanto ela usava a Miragem da Encruzilhada pra encurralar Ryuho, uma amazona de ouro se enfiou naquele espaço, o que, segundo Paradox, isso só era possível se essa pessoa tivesse o mesmo poder que o dela. Esta amazona tinha esse poder e não por acaso. Ela era a irmã gêmea da Paradox (pra variar), a imagem "cuspida e escarrada" dela (tirando a cor dos olhos) e a outra estrela dessa análise, Integra de Gêmeos (que infelizmente não tem um título oficial, mas o título de Amazona de Ouro que domina o Amor e o Destino também cai bem nela. Eu acho).

 

Integra de Gêmeos


        Por mais que me doa admitir, eu sou obrigado a admitir que os produtores de Ômega não foram muito generosos com Integra. Quem viu Omega, teve a nítida sensação de que ela foi apenas pra "cumprir tabela", isto é, posta de forma forçada no entredo de forma a servir apenas pra fazer referências à série clássica. Pra começar, O passado dela foi contado de forma extremamente vaga. Tudo o que sabemos do passado dela de forma concreta, a partir do que se viu, é que ela também foi embora de casa para treinar no santuário, aparentemente antes de Paradox (o que dá uma ideia de como Paradox descobriu a existência do Santuário). Tempos depois, durante a invasão do Santuário promovida pelos Marcianos, Integra simplesmente desapareceu. A série não dá nenhum detalhe sobre as ações de Integra durante a Saga de Marte. Existe a especulação de que ela tenha fugido para não jurar lealdade a Marte, mas, considerando a devoção e o poder que ela mostrou na Saga de Pallas, fica difícil aceitar essa especulação. Enfim, depois da derrota de Marte e Apsu, ela descobriu o que sua irmã aprontou enquanto esteve fora e, com raiva e vergonha, finalmente tomou uma atitude mais concreta: Tomou para si a Armadura de Gêmeos e foi para Pallasbelta, primeiramente atrás de Paradox para acertar as contas e, caso saísse viva depois disso, se juntar a Atena na luta contra os Pallasitos.

        Em termos de personalidade, Integra é muito mais simples de entender do que sua irmã. Primariamente, Integra é descrita como uma pessoa carismática e, aparentemente, até os pais dela a viam com bons olhos, ao contrário da Paradox. Isso dá a entender que Integra foi sábia o suficiente para manter seus poderes de clarividência em segredo na sua casa. Sim, ela tinha a mesma habilidade da sua irmã. De qualquer forma, ela ainda assim foi para o Santuário para treinar e lá também cativou a todos os seus colegas de treinamento (o que despertou a inveja da Paradox e possivelmente foi esse o gatilho que ocasionou a sua traição). Além de carsimática, Integra também se mostrou muito comprometida com Atena, procurando seguir todas as regras dos cavaleiros, inclusive a regra de uso da máscara das amazonas (embora, estranhamente, ela foi mostrada não portando uma durante o treinamento, assim como Paradox. E o motivo disso nem foi explicado), tanto que, quando a máscara dela foi quebrada por Paradox, ela ficou incomodada em olhar diretamente para Atena, que não se incomodou nem um pouco com isso, perdoando-a com a estranha justificativa de que a amazona não tinha nada a esconder (o que deve levar muitos a se perguntarem por que esse raio de regra ainda existe). Porém, mesmo com isso tudo, Integra ainda se mostrou abalada por causa de sua irmã, vindo a ficar em desvantagem com ela por causa disso em algumas ocasiões, mas, como uma verdadeira amazona, ela eventualmente conseguia colocar esse abalo de lado e ir com tudo contra Paradox.

        Felizmente, Integra não deixa a desejar quando se trata de ir pra briga. Se fosse compará-la com Paradox, eu diria que Integra esta no meio termo entre as duas personalidades de sua irmã destrambelhada, isto é, não fica bancando a frufru com o oponente mas também não sai sovando o coitado. Paradox chegou a afirmar uma vez que sempre ganhou da irmã porque era mais forte (e a própria Integra concordava), mas pelo jeito isso só era assim nos tempos de treinamento, pois, mesmo que Integra tenha ficado por uns momentos encurralada, ela conseguiu se superar e derrotar a sua irmã nas duas vezes. Por outro lado, ela só mostrou uma técnica especial em toda a sua participação, mas convenhamos: Quem precisa de um monte de técnicas quando se sabe usar a Explosão Galática? Tá certo que, no anime, a Explosão Galática da Integra saiu visualmente menos destrutivo, mas a cena ainda assim foi épica. Como todo mundo sabe, a Explosão Galática é uma técnica conhecida entre os cavaleiros por ser capaz de destruir as estrelas de uma galáxia. Quando ela disparou essa técnica, Integra ainda estava no espaço criado pela Miragem do Mundo Encruzilhado, onde as estrelas que apareciam ali podiam mostrar o destino de uma pessoa. Aí, meus caros, foi feijão com arroz. "As estrelas ditam nosso destino, é? Então que se explodam!" Basicamente, foi isso que ela disse antes de mandar chumbo. E no 2º round com Paradox, Integra conseguiu superar a Supremacia Galática, que é uma Explosão Galática com Raio Gourmetizador (Só que não). Simplesmente "maraviwonderful".

        Integra e Paradox lutaram duas vezes em Ômega. Pouco antes de Integra aparecer e no decorrer das lutas, Paradox mostrou algumas mudanças esquisitas: Ela não parecia mais ter dupla personalidade, apesar de não ter mudado em quase nada o jeito de agir. A tonalidade de seu cabelo ainda poderia mudar de cor, mas só quando sua fúria chegava ao extremo. Ao que parece, a sua derrota contra Ryuho foi além do físico, pois ao que parece o trauma da derrota a afetou de tal forma que o processo dissociativo dela começou a se desfazer e, de forma ainda incompleta, as duas personalidades começaram a se mesclar novamente. Uma prova é que, mesmo com a "face do amor", Paradox mostrava um cosmo cheio de ódio, claramente percebidos por Ryuho, Fudou e outros cavaleiros de ouro. Claro que você, caro leitor, está livre pra culpar os produtores de Omega por praticamente deixarem de lado o aspecto da dupla personalidade da Paradox na Saga de Pallas ao invés de aceitar essa explicação que acabei de dar. Porém, uma coisa é certa e ficou mais evidente na saga de Pallas: Paradox era uma mulher carente. Ela tinha inveja não só da Integra mas também da própria Saori, pois ela sempre as via rodeadas de gente que as admiravam enquanto a própria vivia isolada, sem ninguém que a amasse de verdade. Por isso, ela nunca aceitou a irmã e nunca aceitou lutar pela causa de Atena, sendo esse outro grande motivo de ter virado as costas pro santuário de vez e se aliado aos Pallasitos. Mas ela acabou derrotada por sua irmã e isso lhe causou um enorme impacto emocional, talvez o maior que ela teve na vida. Curiosamente, ela não ficou rogando praga para os cavaleiros como alguns vilões mais tinhosos costumam fazer. Ela ficou muito envergonhada, a ponto de praticamente implorar para Integra acabar com sua vida. Integra chegou a se prontificar para executá-la (como tarefa de amazona de Atena, pois no fundo ela não queria matar a própria irmã), mas Saori não deixou. Ela sabia do que Paradox realmente precisava e aproveitou a ocasião para curá-la e mostrar o seu afeto. Com isso, o ódio da Paradox sumiu e, consequentemente sua personalidade "malvada", que já dava sinais de que estava desaparecendo, sumiu de vez. Paradox finalmente aprendeu a amar de verdade e finalmente se dispôs a lutar ao lado de Atena. Uma pena que a felicidade durou pouco: Gallia chegou de surpresa e fez uma ferida fatal em Paradox. Antes de morrer porém, ela, junto com sua irmã, puxou um trunfo pra deter a Pallasita, depois que ela conseguiu colocar Saori e Seiya em situação de risco. O trunfo era a Outra Dimensão. Bom, todo mundo sabe que essa técnica consiste em simplesmente abrir um portal para outra dimensão e, através dele, fazer o oponente vagar nessa dimensão para sempre; por isso, em termos ofensivos, não é uma técnica melhor que a Explosão Galática. Porém, as irmãs aqui a usaram de forma diferente: Elas abriram um portal pra descarregar uma rajada maciça de energia em cima da Gallia. Porém, essa rajada era apenas para Gallia não interferir no verdadeiro objetivo delas, que era o de desfazer o Corredor Infinito criado por Europa para encurralar os cavaleiros num labirinto sem fim. Uma nota é que o modo como as duas aplicaram esse ataque é na verdade uma tremenda referência a Futari wa Pretty Cure. A pose que elas usam para disparar a Outra Dimensão é idêntica a que Cure Black e Cure White fazem para disparar um ataque chamado de Pretty Cure Marble Screw. Aliás, aproveitando esse gancho, a seiyuu (dubladora japonesa) da Paradox e Integra, Yukana Nogami, é a mesma que fez a voz de Honoka Yukishiro (Cure White). Pois é, além das referências às outras séries de CDZ, Omega também tem uma porrada de referências a Pretty Cure. Não fico extamente feliz, pois eu não assisto Pretty Cure, mas é no mínimo interessante.

 

 

        Enfim, com a tarefa feita, Paradox então morreu por causa do seu ferimento. E Integra ficou pra trás velando a irmã ao invés de avançar junto com os outros cavaleiros de ouro e, por causa disso, apareceu pouquíssimas vezes no resto da série (para, assim como todos os outros cavaleiros, mandar sua força para Kouga na luta final contra Saturno) e no fim da série, quando ela, Fudou e Kiki indicam Harbinger como Grande Mestre. É chato, não discordo.

        É inevitável que muitos fãs de CDZ vejam Paradox e Integra com maus olhos, pois eles tendem a compará-las com outros cavaleiros de Gêmeos, especialmente Saga. É uma pena, pois os fãs não apreciam o potencial que essas duas amazonas exibiram durante a série, preferindo menosprezá-las em face dos outros cavaleiros. Paradox e Integra foram guerreiras magistrais. O mero fato da Paradox ter sido escolhida por Gallia, uma das guerreiras mais poderosas do exército de Pallas, já é um testemunho de seu potencial; outra prova é que ela conseguiu fintar vários cavaleiros de ouro e atacar Saori diretamente, o que só não deu certo porque Integra barrou o avanço da irmã no último segundo. Integra, por sua vez, conseguiu derrotar Paradox duas vezes. Elas ainda deixaram um legado muito importante em CDZ, fazendo algo que nenhum outro cavaleiro de gêmeos fez: Destruir a maldição que recaía nos cavaleiros de gêmeos, o qual fazia os cavaleiros dessa constelação guerrearem com o seus irmãos. É verdade que Ômega não fez um bom trabalho na construção dessas duas personagens, mas mesmo assim, Paradox e Integra foram exemplares notórios de amazonas de Atena em força (são as duas amazonas mais poderosas de toda a franquia CDZ) e em perseverança. Apesar de ter agido por interesse próprio durante a maior parte da sua vida, ao menos no fim Paradox se redimiu ao conduzir os cavaleiros à vitória. Integra agiu pouco, mas também foi crucial para a vitória de seus amigos. As duas, no fim das contas, defenderam o raro título de amazonas de ouro com honra. A "Paradiva" e a "Moça Íntegra" estão de parabéns.

        Obs.: Eu devia ter lançado esse artigo ainda ano passado, mas por deveres acadêmicos, eu fiquei impossibilitado. Ainda, com a elaboração do calendário de matérias do QC, eu deveria ter mandado uma matéria há duas semanas atrás. Por causa desse imenso atraso, eu peço desculpas ao Quartel e ao nosso público, pois eles com certeza não merecem essa displicência da minha parte. Mudando de assunto, para encerrar de vez essa matéria, estou mandando esquemas da Armadura de Gêmeos de CDZ Omega, criado por Libra no Genbu e Marco Albiero; este último também faz desenhos dos personagens de CDZ com um traço incrivelmente parecido com o de Shingo Araki e, nesse artigo, fica os desenhos da Paradox e da Integra nos traços da série clássica. Além disso, tomei a liberdade de colocar nas Análises Douradas anteriores os desenhos deste mesmo autor, os quais mostram os esquemas de suas armaduras e seus usuários também nos traços da série clássica. Apreciem.

 

Arm Gêmeos Omega LG

Arm Gêmeos Omega MA

Paradox MA

Paradox MA

Arte de Marco Albiero

 

Por Boneco de Neve, que, se fosse pego pela Miragem da Encruzilhada, passaria por um ponto de divisão que mostraria a opção de virar poça e a opção de virar nuvem.

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!